domingo, 23 de Novembro de 2014

A foto do dia

Lewis Hamilton levando a Union Jack em Abu Dhabi. Ele é o campeão merecido de 2014, por tudo o que fez na temporada: onze vitórias. E este domingo mostrou tudo o que poderia mostrar que merecia aquele campeonato, passando Nico Rosberg no momento da partida, com um arranque soberbo.

Os problemas de Nico aliviaram bastante Hamilton, e lhe deu o seu final de sonho: 50 pontos, contra zero do alemão. Comemorou pesadamente, recebeu os parabéns do príncipe Harry e ficou aliviado por desta vez, os deuses do automobilismo estarem a seu favor. E a Mercedes mereceu estas vitórias, no ano em que dominou tudo. 

Hamilton mereceu todos os milhões que Toto Wolff e Niki Lauda gastaram para o resgatar da McLaren. E ano que vêm, há mais.

sábado, 22 de Novembro de 2014

M**das que o Mallya diz



Já tinha visto isto no Twitter e até fiz RT (retweet) ao que ele disse. Ele não deixa de ter razão no que diz, e as suas criticas estão bem fundamentadas. Mas temos de ser honestos: o que é que ele poderá fazer para alterar a situação? Três equipas contra a hierarquia, bem instalada na vida e do qual não abdicarão do seu quinhão por nada, porque foi assim que Bernie Ecclestone desenhou...

Contudo, pelo que entendo, esta gente não vai deixar esta história morrer. Veremos as cenas dos próximos capítulos. Especialmente com o anãozinho a dizer uma coisa e no dia a seguir dizer outra, o que demonstra a sua senilidade em toda a sua força.

A foto do dia

Podemos dizer que hoje, Nico Rosberg ganhou a primeira parte. Mas quem assistiu às últimas corridas sabe que isto, muitas das vezes, é "pirrico", porque Lewis Hamilton é mais veloz e têm melhor ritmo de corrida, e no final é isso que conta. Mas o filho de Keke Rosberg, como sempre, marcou uma posição, como que a dizer que está na luta.

O chato é que pode ganhar, mas poderá ser como em 1984, com Alain Prost: uma vitória pirrica, com o segundo classificado a festejar o campeonato. Hamilton nem precisa de atacar, nem precisa de vencer, para ser campeão. Amanhã é o dia. 

Formula 1 2014 - Ronda 19, Abu Dhabi (Qualificação)

E por fim, chegamos ao termino da temporada. Num lugar novo e artificial, um sinal dos tempos sobre onde está agora o dinheiro, e claro, a Formula 1, sempre sedenta das verdinhas, segue onde ele está. E nestes novos tempos, adapta-se, fazendo uma pontuação a dobrar, quebrando mais uma vez uma tradição, desta vez a do principio de igualdade entre as corridas. Estou certo que Bernie Ecclestone, ao ter a ideia - e da FIA a sancionar, claro - encarregou de sacar mais alguns dólares desses poços sem fundo do Golfo Pérsico, apesar de agora, as coisas andarem um pouco mais aflitas, já que o preço do petróleo anda a baixar muito...

Debaixo do céu de um lugar sem estações do ano, máquinas e pilotos preparavam-se para marcar pela última vez no ano um lugar na grelha de partida, sabendo mais ou menos que, naquele lugar, nada se pode esperar de novo ou de surpreendente. Mas a grande novidade foi o regresso dos Caterham, com outro piloto, o britânico Will Stevens, no lugar do sueco Marcus Ericsson. Apesar de ter experimentado o carro em sessões de testes, neste teste a sério, acabou por ficar no último lugar, a mais de 3,8 segundos dos dominantes Mercedes. Mas aplaude-se o esforço, pois já se sabia que ele não iria sair do último lugar: Romain Grosjean tinha sido penalizado em... vinte lugares (!) e iria largar do último lugar da grelha.

No final, a acompanhar estes três pilotos estava o outro Lotus de Pastor Maldonado e o Sauber de Esteban Gutierrez. Agora percebe-se as proezas dos camiões saltitantes no Youtube: servem para que nós esqueçamos as más exibições na grelha de partida...

Na segunda parte da qualificação, os dois pilotos da Mercedes brigavam pelo melhor tempo, com alguns excessos pelo caminho, Nico Rosberg fez um deles e perdeu tempo, tal como Lewis Hamilton, mas foram mais uns "fait divers" desta qualificação, quando a realidade dizia que entre os pilotos que ficaram de fora da Q2, para além dos Force India, do Toro Rosso de Jean-Eric Vergne ou do Sauber de Adrian Sutil, também estava o McLaren de Kevin Magnussen, a grande surpresa. Em contraste, Daniil Kvyat mostrava o seu talento e colocava o seu carro no oitavo lugar da grelha provisória.

A terceira parte costuma ser o mais sumarento - em eras passadas, claro - e haveria a expectativa da Williams marcar um tempo que incomodasse a toda-poderosa Mercedes, quebrando os monopólios dos últimas corridas. Mas apesar dos esforços, não deu. E Nico Rosberg conseguiu pela terceira vez consecutiva bater Lewis Hamilton numa qualificação, mostrando que neste campo, é o melhor. O chato é o que acontece na corrida, onde ele claramente têm um ritmo superior do que o alemão.

Na grelha final, a hierarquia: Mercedes, Williams, Red Bull, Ferrari. Não havia grandes alterações, não havia surpresas. Pelo menos, era o que viamos na pista... até que a secretaria funcionou. A FIA desconfiou as asas dianteiras dos Red Bull de Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo e no final, decidiu retirar os tempos e obrigá-los a partir da última fila, atrás dos Caterham.

Amanhã é o dia decisivo. Dali não passará, e saberemos quem será o campeão de 2014. Num dos sítios mais aborrecidos e mais artificiais do mundo. Nos tempos que correm, o poder do dinheiro dá nisto...

Formula 1: Red Bull excluida da qualificação por irregularidades na asa dianteira

A Red Bull deu asas... mas para a FIA, estão fora do regulamento. Assim sendo, a entidade que gere a Formula 1 decidiu retirar os tempos a Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo, e colocá-los no fundo da grelha de partida. A razão? a demasiada flexibilidade da asa dianteira, que fez com que fosse escrutinado pelos comissários técnicos, que depois de os examinar, determinaram que infringiam o refgulamento.

A equipa reagiu num comunicado oficial, afirmando que "estava desapontado com o facto de ter sido chamado à atenção devido à defleção na asa da frente enquanto é claro que outras equipas estão a interpretar as regras de forma semelhante a nós"

"Contudo, a equipa aceitará a decisão e começará a corrida do fundo da grelha", concluiu. 

Formula E: Sam Bird foi o vencedor em Putrajaya, Félix da Costa oitavo

Dois meses depois da estreia em Pequim, a Formula E continuou o campeonato nas ruas da cidade malaia de Putrajaya, onde o britânico Sam Bird, da Virgin, levou a melhor sobre o brasileiro Lucas di Grassi, que fez uma recuperação sensacional da última linha, após ter batido na qualificação. Já Bruno Senna deixou escapar uma hipótese de pódio ao bater na última volta.

Sem volta de aquecimento - coisas que aconteciam nos anos 70 na Formula 1... - a grelha tinha Oriol Serviá na pole-position beneficiando da penalização de dez lugares a Nicolas Prost, que tinha sido o mais veloz na qualificação. Na largada, Daniel Abt, que era o terceiro na grelha, largou mal e arrastou-se para o fim do pelotão, enquanto que Sam Bird tentava ficar com a liderança, sendo detido por Serviá. Nos metros seguintes, Katherine Legge e Matthew Brabham tiveram toques (no caso de Legge, foi com... Michela Cerruti) que o colocaram em situação de apuros, atrasando-se bastante.

Por causa disso, o Safety Car foi acionado, no inicio da segunda volta, no sentido de se recolherem a asa que ficou no asfalto. Legge trocou de asa e voltou à pista e a corrida voltou ao normal na quarta volta, Sam Bird a alcançar a liderança e Jarno Trulli a chegar ao segundo lugar, ambos à custa de Oriol Serviá. Nas voltas seguintes, Chandhok passou o catalão, seguido por Nelson Piquet Jr, enquanto que atrás, na oitava volta, Franck Montagny tenta ultrapassar Nick Hedifeld, forçando-o a bater no muro. Por causa disso, o Safety Car entrou na pista pela segunda vez.

Por essa altura, Daniel Abt foi o primeiro a trocar de carro, antes do recomeço da corrida, à 12ª volta. Sam Bird afastava-se do resto do pelotão, conseguindo uma vantagem de sete segundos, antes das trocas de carros, a partir da volta 18. Trulli foi o primeiro, seguido de toda a gente até ao sexto posto, que então era ocupado por Bruno Senna. Sam Bird trocou de carro na volta seguinte, o que permitiu manter a liderança.

No regresso, não houve grandes alterações aparte um despiste de Bruno Senna depois de um desentendimento com Matthew Brabham, mas voltou logo à pista. Na volta 23, Piquet Jr tentou passar Trulli no final da reta, mas ambos tocaram-se, acabando por desistir. Atrás, Bruno Senna tentava recuperar lugares, passando Jerôme D'Ambrosio e chegando ao sexto lugar.

Com a chegada das voltas finais, Daniel Abt, o lider, era apanhado sem apelo nem agravo (cinco segundos por volta!) por Sam Bird, pois estava a tentar levar o carro até ao fim com a energia restante. Na volta 27, Bird retomava a liderança, com uma vantagem de dez segundos sobre o terceiro classificado, que agora era Lucas di Grassi.

Atrás dele, havia uma luta entre o piloto da ABT e os pilotos da e-dams, Sebastien Buemi e Nicolas Prost, acompanhados de perto por Bruno Senna. Na volta 29, Senna passa Prost e fica com o quarto lugar, mas na última volta, imediatamente antes do "hairpin", o brasileiro da Mahindra perde o controlo do seu carro e bate na parede, perdendo a chance de atacar o terceiro lugar de Buemi.

Na frente, sem ser incomodado, Bird vencia com folga, a mais de dez segundos sobre Lucas di Grassi, da Abt, e Sebastien Buemi, da e.dams, na frente de Nicolas Prost. Depois veio Jerôme D'Ambrosio, Karun Chandhok, Oriol Serviá, António Félix da Costa, Jaime Alguersuari (que fez a volta mais rápida) e por fim, Daniel Abt.

No final, foi uma corrida entretida, sem momentos aborrecidos, com lutas entre pilotos, apesar do lider ter sido decidido muito cedo.

No campeonato, Lucas di Grassi é o primeiro, com 43 pontos, seguido por Sam Bird, com 40, Frank Montagny, Karun Chandhok, Nicolas Prost e Jerôme D'Ambrosio "ex-aequo" no terceiro posto, com 18 pontos.

A próxima corrida da Formula E será a 13 de dezembro, em paragens uruguaias.

Youtube Motorsport Race: a corrida da Formula E em Putrajaya

Para quem não viu a corrida porque você estava a dormir - ou adormeceu a meio da corrida - eis aqui a prova na integra, narrada em inglês por Dário Franchitti. Pode ver enquanto não vêm a qualificação para Abu Dhabi...

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Youtube Formula 1 Stunt: Um camião a saltar, um Formula 1 a passar

Enquanto que a Lotus tenta arranjar mais dinheiro para se manter viva - seja pedir por Bernie Ecclestone, seja por ir à Venezuela e apertar mais as tetas da vaca petroleira que e a PDVSA - ela faz algumas manobras publicitárias como este vídeo que colocou agora na sua página do Youtube. 

É simples: um camião bateu um recorde de maior salto, enquanto que um carro de Formula 1 passa por baixo dele. A distância, no sentido imperial, é de quase 84 pés, que traduzido para o sistema métrico (usada por qualquer civilização digna desse nome...) dá em... 25,476 metros.

Parabéns à Lotus. Que continue a fazer acrobacias como esta. 

Rumor do dia: WTCC em Vila Real?

Havia rumores de novos sítios no calendário do Mundial de Turismos no final de semana de Macau, e sabia-se que a Eurosport queria um lugar para Portugal no calendário. Só que com o final do circuito da Boavista, no Porto, por falta de vontade do novo presidente da Câmara, Rui Moreira, parecia que as coisas iriam ficar de fora, porque o WTCC quer um circuito urbano nestas paragens, em vez de Estoril e Portimão.

Pois bem, a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting fala nesta sexta-feira no seu sitio oficial que está a falar com a Eurosport e a FIA no sentido de ver a hipótese de outro circuito urbano ser considerado. E esse seria Vila Real. A reunião aconteceu hoje entre o presidente da Câmara e as três partes, acompanhados pelo piloto da Honda, Tiago Monteiro.

No comunicado oficial, a FPAK refere que: "A visita demorada e pormenorizada de todos os aspectos do emblemático Circuito de Vila Real correu conforme o previsto e deixou todos os presentes bastante esclarecidos e satisfeitos com todas as valências daquela pista citadina. A visita de hoje será agora analisada por todos e uma decisão será, certamente, tomada em breve."


Vila Real têm tradição automobilística que remonta a 1935, com corridas que se realizaram até ao inicio dos anos 90. O circuito albergava a malha urbana da cidade, com cerca de oito quilómetros, e o seu auge foi no final dos anos 60, inicio dos anos 70, quando recebeu provas de Endurance (as Seis Horas ou os 500 km de Vila Real) e provas da Formula 3 europeia.

Depois de um grave acidente em 1991, o automobilismo só voltou a Vila Real em 2007, num circuito mais encurtado. Contudo, estas voltaram a ser interrompidas em 2010 devido ao facto de não ter um "paddock" adequado às suas capacidades, tendo regressado este ano, com corridas de Clássicos.

A foto do dia

A imagem do Williams de Valtteri Bottas "desnudado" em plena pista de Abu Dhabi se pode explicar com a diferença entre as pressões de dentro com as de fora do carro, devido ao facto de eles estarem a experimentar uma nova entrada de ar.

As pressões podem não ter sido as suficientes para que o chassis aguentasse, mas tivemos a rara imagem de ver um Formula 1 por dentro. Mesmo que tenha sido de forma acidental...

Youtube Motorsport Prank: Vettel assusta os incautos


Enquanto que Sebastian Vettel se despede da Red Bull neste fim de semana, decidiu fazer uma partida ao disfarçar-se de mecânico (com barba, mullet e tudo) e mostrar as suas habilidades... nos carros dos clientes. A ideia veio da Tirendo, que é uma marca de pneus conhecida no centro da Europa, nomeadamente Suiça, Austria e Alemanha.

A parte chata é que só os que sabem falar alemão (já sei do que fala: está a convencer os clientes para que o deixe guiar o carro por causa de "um barulho no carro". E no meio doas habilidades, pergunta se ouvem esse chiar). Mas mesmo assim, ainda não sei se eles se assustaram com as suas habilidades ou com o seu aspecto...

Afinal... a Marussia não vem a Abu Dhabi

Ao longo do dia de quarta-feira, as noticias fervilhavam sobre a possibilidade de a Marussia fazer uma inesperada aparição em Abu Dhabi, com Max Chilton ao volante de um dos carros. Mas na noite de ontem, primeiro os rumores, depois a confirmação: a equipa acabaria por não vir devido à falta de um acordo com os credores à ultima da hora.

Nesta quinta-feira, vieram os pormenores: os camiões estavam a caminho do aeroporto de Stansted, nos arredores de Londres quando o acordo entre os credores falhou. E por essa altura, a FOM tinha pedido à Williams e Caterham para que arranjasse espaço para que a Marussia pudesse colocar as suas coisas e tinham pedido via online para que aparecessem pessoas que pudessem ajudar a equipa no fim de semana. Para além disso, funcionários da Ferrari, a empresa que fornece os motores à equipa, também estavam presentes, vestindo o fato da equipa.

No Twitter, Chilton lamentou a falta de acordo: “Estou devastado por todos os envolvidos na Marussia nas últimas 24 horas, pois o trabalho duro para tentar correr em Abu Dhabi não correu como esperávamos”, escreveu Chilton. Assim sendo, na última corrida do ano teremos 20 carros a alinhar em pista.

Provavelmente, esta poderá ter sido a última chance de ver o pessoal da Marussia a andar, pois as dúvidas em relação à sua continuidade são cada vez maiores, apesar de noticias referentes a possíveis interessados no espólio da equipa.

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

A foto do dia (II)

Eis Nico Rosberg e Lewis Hamilton, os dois candidatos ao titulo, cumprimentando-se um ao outro respeitosamente, diante das câmaras, após a conferência de imprensa do GP de Abu Dhabi. Aparentemente, estão tranquilos e esperando que consigam superar o companheiro de equipa.

Já tivemos muitos anos de domínio na Formula 1, temporadas onde os candidatos ao título estavam na mesma equipa. Juan Manuel Fangio contra Nino Farina, e depois contra Stirling Moss; Phil Hill contra Wolfgang von Trips; Jim Clark contra Graham Hill; Mário Andretti contra Ronnie Peterson, Jody Scheckter contra Gilles Villeneuve; Ayrton Senna contra Alain Prost; Nigel Mansell contra Ricciardo Patrese; Rubens Barrichello contra Michael Schumacher; Lewis Hamilton contra Fernando Alonso; Mark Webber contra Sebastian Vettel.

Os exemplos são muitos, e se em alguns casos, a hierarquia foi respeitada, noutros, a luta foi mais fratricida. O exemplo da McLaren em 1989 foi o mais sintomático, com matéria mais do que suficiente para fazer livros e filmes. Mas não creio que este sirva para isso. Um dia, alguém comparou as vitórias de Jacky Ickx e de Tom Kristensen em Le Mans: "Das vitórias de Ickx, fizeram-se livros. Das vitórias do dinamarquês, fazem-se comunicados de imprensa".

Até ver, esta é uma daquelas vitórias dignas de comunicado de imprensa. A História, claro, encarregar-se-á de saber se isto têm ou não algum fundamento, mas parece que as coisas num passado distante têm mais brilho do que as de um tempo mais recente. Mas há elementos de tensão suficientes para entender que poderá haver matéria para livro. Só que o politicamente correto dos nossos dias estraga um pouco a intriga. Parece que adoramos ver o circo a arder... e é por isso que por estes dias estamos mais interessados pela revolta dos pequenos, e as discussões sobre dinheiro do que estes pilotos, candidatos ao título numa corrida onde os pontos são a dobrar.

Dailymotion Motorsport Interview: Philippe Bianchi fala do seu filho em Nice


Le père de Jules Bianchi à l'hopital Saint Roch por nice-matin

Vinte e quatro horas após a chegada de Jules Bianchi a Nice, após um longo voo desde o Japão, o pai, Philippe Bianchi (filho de Mauro Bianchi e sobrinho de Lucien Bianchi) conversou um pouco - e em exclusivo - para o jornal Nice-Matin sobre o estado de saúde do seu filho, que está internado no hospital de Saint Roch.

"Está mais perto de nós e espero que renasça em Nice, 25 anos depois", comentou Bianchi Sr. "Estamos agradecidos a todas as manifestações de amor vindas do mundo inteiro, e a todos que rezam pela sua saúde. Que continuem a rezar e esperem que haja um milagre", concluiu.

Apesar de Bianchi já não estar mais em coma artificial, o seu estado de saúde continua a ser muito grave, sete semanas depois do seu acidente em Suzuka, durante o GP do Japão. 

Formula 1 em Cartoons - Para onde vais, Alonso? (Riko Cartoon)

Agora que sabemos que Fernando Alonso se vai embora da Ferrari, resta saber qual será a equipa por onde correrá em 2015. As apostas são muitas, as portas também... bem como os conselhos.