terça-feira, 29 de Julho de 2014

Formula 1 em Cartoons - Hungria (Thomson Studio)

O canadiano Bruce Thomson lembrou-se de outra situação do GP da Hungria, quando Sergio Perez e Sebastian Vettel se despistaram no mesmo local. Ele especula sobre o que Vettel terá pensado quando viu o Force India do piloto mexicano acidentado na parede, quando o "Safety Car" entrou na pista...

Noticias: Bernie propôs um acordo fora dos tribunais

Parece que Bernie Ecclestone está mesmo em maus lençois. O julgamento de corrupção em Munique, na Alemanha, está ainda a decorrer, mas à medida que este está a chegar à sua conclusão, no mês que vêm, tudo indica que o patrão da Formula 1, atualmente com 83 anos, não escapará a uma condenação por corrupção, devido ao pagamento de 50 milhões de euros a Gerhard Gribowsky.

Contudo, a agência alemã DPA anuncia hoje que os advogados que representam Bernie Ecclestone ofereceram ao Ministério Público de Munique um acordo na ordem dos 25 milhões de euros, pagos ao banco BayernLB, para resolver o caso fora dos tribunais, para assim evitar uma condenação, que poderia ser de prisão efetiva. Para além disso, os advogados afirmam que o caso está a ser "extremamente estressante" para Ecclestone, e isso poderá ter consequências para a saúde.

A oferta é válida até ao dia 8 de agosto, e a imprensa local afirma que a procuradoria de Munique está a "estudar o caso".

Caso seja considerado culpado, poderá ter de cumprir uma pena nunca inferior a cinco anos de prisão efectiva, bem como uma pesada multa. E tal sentença poderá significar o final da carreira de Ecclestone nos destinos da Formula 1, onde anda por lá há mais de 40 anos, primeiro como empresário de pilotos, depois como o patrão da Brabham, e depois como o "DDT", ou seja, o "dono disto tudo".

Formula 1 em Cartoons - Hungria (Rathborne)

O cartoonista britânico Chris Rathborne decidiu fazer este desenho sobre o decisivo momento do GP da Hungria, onde Lewis Hamilton se mostra "chocado" com a decisão da Mercedes em que deixasse passar Nico Rosberg para que ele pudesse atacar os lugares cimeiros.

Claro, o que se diz por aqui é o que eles tinham em mente, na verdade...

Os Pioneiros - Capitulo 39, tudo no mesmo lugar

(continuação do capitulo anterior)


TODAS AS CORRIDAS NO MESMO LUGAR


Em 1911, apesar das 500 Milhas de Indianápolis, o que não faltava por aí eram corridas um pouco por toda a América. Contudo, as mais importantes continuavam a ser a Vanderbilt Cup e o Grande Prémio da América. Mas até então, ambas as corridas eram disputadas em sitios diferentes: a primeira era em Long Island, ao pé de Nova Iorque, e a segunda era em Savannah, na Georgia, na parte sul do país. Mas ambas as corridas tinham fama completamente oposta uma da outra: aVanderbilt Cup era conhecida pela grande dificuldade em controlar as multidões, e no ano anterior, tinha havido demasiadas mortes entre pilotos, mecânicos e espectadores. Em contraste, o Grande Prémio era bem organizado, bem controlado e nitidamente mais seguro.

Assim sendo, ambas as associações, a ACA (Automobile Club of America, que organizava o Grande Prémio) e a AAA (que detinha os direitos da Vanderbilt Cup) decidiram que seria ótimo se realizassem ambas as corridas no mesmo local, em datas diferentes. Feita a devida combinação, decidiu-se que iriam acontecer com três dias de diferença: a 27 de novembro, para a Vanderbilt Cup, e a 30 de novembro, para o Grande Prémio. O circuito era o mesmo, mas as distâncias eram diferentes: 17 voltas para a primeira, 24 para a segunda prova

Na primeira corrida, catorze carros alinharam, todos eles americanos: Ralph de Palma e Spencer Wishart, ambos em Mercedes; Cyrus Patschke e Bob Burman, em Marmon; Carl Limber e Leland Mitschell, ambos em Abbott-Detroit; Harry Grant e Ralph Mulford nos seus Lozier (na foto); David Bruce Brown, Joe Matson e Edward Parker, em Fiat, Hugie Huges em Mercer e Harry Cobe, num Jackson. 

Com os carros alinhados pela ordem de inscrição, o primeiro a partir foi Harry Grant, mas cedo teve a oposição dos Mercedes de De Palma e Wishart e o carro do seu companheiro de equipa, Ralph Mulford. A corrida acabou por ser um duelo Mercedes-Lozier, mas no final, quem levou a melhor foi Mulford, que conseguiu um avanço de dois minutos e 11 segundos sobre De Palma. O outro Mercedes, de Wishart, ficou com o terceiro posto, com mais de quatro minutos de avanço sobre o segundo Lozier de Grant. Ambos os Marmon acabaram por desistir a meio da corrida, enquanto que o melhor Fiat foi o de Edward Parker, no quinto lugar.

Três dias depois, era a vez do Grande Prémio. Todos os americanos que estiveram na Vanderbilt Cup alinharam, mas com algumas alterações: Cobe alinhava num Buick, ao lado de Charles Basle, enquanto que a Benz alinhava com Eddie Hearne, o alemão Erwin Bergdoll e o francês Victor Hémery. A Fiat aparecia nesse Grande Prémio com o modelo S74, um "monstruoso" carro com um motor de 14 litros, no qual alinhou com Bruce-Brown, Caleb Bragg e o francês Louis Wagner.

Apesar dos carros europeus serem à partida melhores do que os americanos, estes aprendiam rápido. Os seus carros começavam a andar a par e ameaçavam a vitória, e nesta corrida prometiam dar luta. Bragg foi o primeiro líder da corrida, seguido por Bruce-Brown e Hémery. Contudo, o melhor americano, o Marmon de Patschke, não estava longe deles, aproximou-se e esteve por momentos no comando da corrida.

Contudo, na volta oito, Patschke retira-se, deixando o comando para Bruce-Brown, que teve de aguentar os ataques de Eddie Hearne, mas conseguiu superar-se e deu à Fiat a vitória no seu monstruoso S74, com mais de dois minutos de avanço sobre Hearne, enquanto que Ralph De Palma foi terceiro, no seu Mercedes. 

(continua no próximo capitulo) 

Formula 1 em Cartoons - qualificação húngara (Cire Box)

Às vezes, estes desenhos aparecem bem depois de acontecerem, mas achei por bem colocar aqui, porque acho engraçado. Afinal de contas, falamos do azar de Lewis Hamilton na qualificação, que andou a ter nas últimas duas corridas... antes de ele ter aquela excelente recuperação na corrida, onde subiu ao pódio e ficou na frente de Nico Rosberg...

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Formula 1 em Cartoons - qualificação húngara (Riko Cartoon)

Antes da corrida, existe como sempre a qualificação, e o Frederico Ricciardi - mais conhecido por Riko - depois de ver as prestações de Kimi Raikkonen nesta temporada, decidiu fazer este desenho, reavivando uma memoria recente.

Curiosamente, a corrida do piloto finlandês até foi a melhor do ano para ele...

Noticias: Ex-funcionários da Caterham vão processar a empresa

Os funcionários demitidos no inicio do mês pela nova administração da Caterham vão processar a empresa por não lhes pagarem as devisas compensações. De acordo com noticias vinda hoje a público na imprensa britânica, cerca de 40 funcionários, entre os quais Graham Watson, antigo gestor de equipa, Gerry Hughes, ex-chefe de operações em pista e Jody Eggington, que era vice-diretor técnico, irão colocar em tribunal a nova administração da empresa, tomada no inicio do mês por um consórcio suiço-árabe, liderado por Cristijan Albers e aconselhado por Colin Kolles.

"Eles não foram pagos o salários de julho ou quaisquer outros pagamentos em conformidade com o contrato ou os seus direitos laborais", afirmou Chris Felton, um dos advogados representando os lesados. "O fato de que não está sendo dito nada da parte da Caterham é muito preocupante."

"Ignorar os direitos dos trabalhadores não é um comportamento usual na Fórmula 1, onde, apesar de serem tomadas decisões difíceis em termos de recursos humanos, os funcionários são sempre devidamente compensados ​​e tratados com dignidade pelas suas equipas. Nós não esperávamos que qualquer ex-funcionário da Caterham pudesse ser prejudicado por defender seus direitos quando foram despedidos sem justa causa, sem indemnizações, quando existem várias famílias para sustentar", continuou.

"A FIA espera que suas equipas de Formula 1 sigam certos padrões e são esses padrões que estamos pedindo-lhes para sejam mantidas, fornecendo garantias de que os novos proprietários da Caterham são vistos como apropriados para a categoria", concluiu.

Formula 1 em Cartoons - Hungria (Grand Prix Toons)

Para o venezuelano Hector Garcia, do Grand Prix Toons, a guerra entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton é feita de duas maneiras: ou de modo lento e localizado, ou vamos direto ao assunto. O alemão prefere um, o inglês outro...

Youtube Formula 1 Racing: o pião de Sebastian Vettel na Hungria

Parece que começa a ser interessante ver certos aspectos da corrida através das bancadas. Já vimos o que aconteceu em Silverstone e em Hockenheim, e este fim de semana, no Hungaroring, o motivo de interesse foi o pião de Sebastian Vettel, que quase o fez bater no muro, como aconteceu ao Force India de Sergio Perez.

Contudo, ao contrário do piloto mexicano, o alemão da Red Bull conseguiu evitar que o seu carro batesse no muro e continuou até ao sétimo lugar final. E o momento foi captado pelo pessoal que estava nas bancadas... que aplaudiu.

Este vi no WTF.co.uk

domingo, 27 de Julho de 2014

Youtube Formula 1 Classic: Circuito da Boavista, 1958


Estas filmagens são "inéditas", como falam aqui no blog "Os Heróis", que fala sobre o automobilismo em Portugal e os seus heróis do passado. E estas imagens, feitas por um cineasta amador, são mesmo inéditas, pois mostram partes da corrida da Boavista, que foi palco do GP de Portugal de 1958, a primeira no nosso país.

No filme, podemos ver os Vanwall a sairem as boxes e o carro que transportou os três primeiros classificados, num pódio totalmente britânico: Stirling Moss a ser o melhor, seguido pelo Ferrari guiado por Mike Hawthorn e pelo outro Vanwall de Stuart-Lewis-Evans, na única vez em que subiria a um, meses antes de morrer num acidente na última prova do ano, em Marrocos.

Formula 1 em Cartoons - Hungria (Pilotoons)

Pois é, Daniel Ricciardo atropelou toda a gente para conseguir a vitória neste GP da Hungria. Foi uma corrida brava digna de um futuro campeão. Parece que depois de Jack Brabham e Alan Jones, a Austrália pode sonhar com títulos.

Formula 1 em Cartoons - Kimi e Vettel (Groo)

Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen são dois pilotos que vivem uma má temporada este ano. Mas o piloto alemão, apesar de tudo, ainda vai sorrindo até ao banco...

Formula 1 2014 - Ronda 11, Hungria (Corrida)

Uma semana depois de Hockenheim, a Formula 1 avançou um pouco pela Europa Central e está em paragens húngaras, para mais uma ronda do mundial, curiosamente a última antes das férias de verão. E o mais interessante nesta "luta a dois" pelo campeonato, é que parece que a qualificação da pista húngara foi uma cópia do que se passou em terras alemãs: Nico Rosberg foi o melhor, Lewis Hamilton ficou-se pela Q1, vítima de um problema mecânico. Enormes contrastes, de facto, na equipa que tudo indica vencerá ambos os mundiais em 2014...

Com tempo instavel no horizonte, cabia a Lewis Hamilton, que largaria das boxes, tentar fazer a melhor recuperação possivel. Mas tal tarefa não se avizinhava fácil, dado que o circuito húngaro é bem mais estreito e sinuoso do que o anterior. E mais: quem também largaria das boxes era o dinamarquês da McLaren, Kevin Magnussen, que foi o que mais sofreu com a chuva na qualificação, ao embater no muro de proteção e danificou fortemente o seu chassis. Hamilton teria de ficar atrás dele, pois caso contrário, seria mais um obstáculo na sua eventual recuperação.

Antes da corrida, a chuva tinha caido fortemente na pista, e apesar de ter parado vinte minutos antes da partida, a pista estava molhada o suficiente para que na hora da largada, todos os pilotos tivessem de largar com os pneus intermédios. Quando as luzes se apagaram, Rosberg manteve a liderança, aguentando os ataques de Bottas e Vettel, enquanto que Hamilton, largando das boxes, tentava recuperar o tempo perdido, passando os outros dois pilotos que se encontravam parados, Kevin Magnussen e Daniil Kvyat (cujo motor se "apagou" antes da volta de aquecimento. 

Com o passar das voltas, Rosberg desapareceu do pelotão, com Bottas a ser logo pressionado por Vettel, enquanto que Hamilton tentava recuperar lugares do pelotão. Na oitava volta, tinha subido até ao 13º posto, depois de passar Kimi Raikkonen, mas por esta altura, a chuva tinha parado, e os pilotos andavam com pneus intermédios, o que começava a ser complicado devido ao aparecimento de uma linha seca no asfalto.

Mas na oitava volta, o Safety Car entra em ação na pista, depois do Caterham de Marcus Ericsson ter batido forte nas barreiras na curva 3. Por essa altura, todos decidiram parar para arriscar meter pneus slicks. Foi uma confusão, mas sem incidentes de maior. O SC era para sair dali a três voltas, mas Romnain Grosjean achou que era demasiado cedo e decidiu bater no muro de pneus não muito longe de Marcus Ericsson, fazendo com que este tivesse ficado até à volta 14.

Com o regresso da corrida, as coisas ficaram mais interessantes. Ricciardo era agora o líder, mas Button cedo o passou. Hamilton era agora o nono, mas cedo passou para sétimo, enquanto que Rosberg era quinto! E entre eles... Sebastian Vettel. E na frente do piloto alemão estava o Toro Rosso de Jean-Eric Vergne.

Na frente, Ricciardo estava com uma vantagem de cinco segundos sobre Felipe Massa e Fernando Alonso, com o seu Ferrari, em cima dele. As coisas andam relativamente calmas até à volta 23, quando Sergio Perez perde o controlo do seu Force India e bateu forte na reta principal. Graças aos destroços, o Safety Car entrou de novo na pista. Isso foi aproveitado por alguns pilotos para parar nas boxes, excepto Alonso e Vergne, que são os primeiros atrás do Safety Car.

E a corrida volta ao normal na volta 26, com Alonso na frente, tentando esticar essa liderança, pois o segundo classificado era o Toro Rosso de Jean-Eric Vergne. Mercedes e Red Bull andavam alternados a partir do terceiro posto, com Rosberg a tentar apanhar Vergne, mas com dificuldades. Aliás, parecia que o piloto da Toro Rosso era o "tampão" para o resto do pelotão.

Mas as emoções continuavam. Na volta 34, Vettel faz um pião no mesmo local de Perez e por muito pouco não batia no muro. Ao mesmo tempo, Rosberg foi às boxes e Hamilton conseguiu passar Vergne, para ficar com o segundo posto. Por essa altura, Alonso afastou-se em cerca de quatro segundos, mas Ricciardo, no terceiro posto, tinha pneus mais frescos e tentava apanhar os da frente. Alonso acabaria por parar na volta 39, fazendo com que Hamilton ficasse na liderança, pelo menos por uma volta. Quando saiu, o inglês era quinto, na frente de Rosberg, que era sexto. E na liderança, estava Ricciardo.

Logo a seguir, os Mercedes estavam a rolar juntos, com Rosberg a apanhar Hamilton à uma média de meio segundo por volta. Mas o inglês sabia que o seu companheiro de equipa teria de parar mais uma vez, então provavelmente o facilitaria. Contudo, Hamilton decidiu não facilitar e decidiu que só deixaria passar se ele tivesse mais perto dele. Só que nas voltas seguintes, tal não aconteceria...

Na volta 55, Ricciardo para nas boxes, dando a liderança para Alonso. Mas mais alguns pilotos teriam de parar até ao final, e a incerteza ainda pairava no ar. Rosberg parou - sem que Hamilton o deixasse passar - e ele voltou à pista na sétima posição. Rapidamente apanhou Raikkonen e Massa, que lutavam pelo quinto posto, e tinham Bottas não muito longe. O alemão passou toda a gente (Bottas parou nas boxes), enquanto que os três primeiros estavam juntos, com Alonso na liderança.

Agora, todos andavam juntos, com o australiano da Red Bull com pneus mais frescos. Hamilton queria ganhar, e dava o seu melhor, mas não poderia facilitar. Alonso comete um pequeno erro na volta 64, mas mantêm a liderança. Mas o homem mais "fresco" era Daniel Ricciardo, que em duas voltas, conseguiu passar Hamilton e Alonso. Primeiro, numa manobra na curva 2, superando o piloto da Mercedes. Na volta seguinte, na travagem para a curva 1, passou o piloto da Ferrari para depois se afastar de toda a gente, rumo à vitória.

Atrás, Alonso e Hamilton tiveram de lidar com um Rosberg que se aproximava velozmente deles, mas na penultima volta, ele tentou a sua sorte para passar o inglês, mas este fechou-o de forma musculada, pois sabia que cada corrida que acabasse à frente do alemão seria um ganho importante. E foi o que aconteceu: Hamilton subiu ao pódio e conseguiu ganhar três pontos importantes para o campeonato.

Mas com a amostragem da bandeira de xadrez, era um super-sorridente Daniel Ricciardo que vencia pela segunda vez no campeonato e mostrava que é um piloto a ter em conta, ainda por cima depois de ter superado mais uma vez a Sebastian Vettel, mostrando que têm mais estofo de campeão do que o piloto alemão, e consolidando também a Red Bull no segundo lugar do campeonato de Construtores. Um pouco mais atrás, na classificação, Felipe Massa conseguiu segurar Sebastian Vettel e foi quinto na corrida, ficando atrás de Valtteri Bottas, apenas o oitavo. Entre eles, num sexto lugar que teve tanto de inesperado como de interessante, ficou Kimi Raikkonen. Jean-Eric Vergne e Jenson Button ficaram com os restantes lugares pontuáveis.

Agora, a Formula 1 vai aproveitar o mês de agosto para umas merecidas férias. Com isto, Nico Rosberg têm uma vantagem de onze pontos sobre Lewis Hamilton, enquanto que o resto do pelotão observa a luta entre estes dois pilotos pelo título mundial. E nas oito provas que ainda faltam até que tudo acabe, em Abu Dhabi, tudo poderá acontecer na briga interna pelo título mundial.

sábado, 26 de Julho de 2014

Youtube Motorsport Crash: O grave acidente das Ferrari em Spa-Francochamps


As coisas andam agitadas nestas 24 Horas de Spa-Framcochamps. Nas primeiras horas, o Safety Car já saiu para a pista por cinco vezes, quatro delas concentradas em pouco tempo, graças a acidentes na zona do Eau Rouge. 

Mas parece que a quinta situação de Safety Car foi algo mais grave, pois um dos carros acabou a arder. Dois Ferraris, guiaods respectivamente por Marcus Mahy e Vadim Kogay, acabaram acidentados na veloz curva do Staevelot. Um dos carros acabou a arder, e o Safety Car teve de entrar para recolher os destroços, que estiveram espalhados por toda a pista. De Mahy, as noticias afirmam que está em estado considerado "estável", mas de Kogay, nada se sabe.

Como são precisos dois helicópteros prontos no circuito, a bandeira vermelha foi desenrolada para que este pudesse levar o piloto para o Hospital de Liege, o mais próximo dali. Já se sabe que regressou à pista, logo, vai recomeçar a qualquer momento. 

Cinco vezes o Safety Car quando a noite ainda não tinha caído é muito mau...

A Formula 1 incomodada com as perguntas inconvenientes

Lembram-se das declarações de ontem do Christian Horner? Claro que se lembram, e se não, podem voltar a ler aqui. Pois bem, parece que há desenvolvimentos, contados esta tarde, via Twitter, pelo Luis Fernando Ramos, o Ico. Aparentemente, as perguntas incómodas dos jornalistas ao longo da conferência de imprensa onde estiveram os líderes das equipas chegaram ao ponto da irritação que Eric Boullier pediu à FIA para que retirasse uma acreditação a um jornalista, quando este perguntou se eles iriam correr à Coreia do Norte, caso Bernie Ecclestone assinasse um acordo com Kim Jong-un nesse sentido.

O caso foi comunicado à FIA, e esta indeferiu o pedido, colocando um pouco de bom senso em tudo isto. O jornalista em questão foi Ralf Bach, do jornal alemão "Sport Bild", que fez a tal pergunta. Algumas pessoas, como a compatriota Karin Sturm, confirmaram o facto, mas Will Buxton, da NBC, afirmou também no Twitter que "uma boa fonte lhe disse" que tal facto nunca partiu da parte de Boullier, que no paddock é considerado como uma das pessoas mais simpáticas.

Poderá ter sido um mau dia de Boullier, ou poderá ter partido de outra pessoa, mas o facto de certos dirigentes da Formula 1 quererem uma média mais "domesticada" e que ajam mais como "papagaios" a apoiar o desporto, custe o que custar e "façam como a avestruz" para as situações mais polémicas, é sinal de que as coisas começam a ser incomodativas. 

Há um mundo lá fora, e há certas questões que necessitam de ser respondidas.